Diretor da ADPEP participa de encontro da Comissão Especial da ANADEP em defesa dos direitos da mulher no Rio de Janeiro

14

O Defensor Público paraense Fábio Rangel, que atua no Núcleo de Atendimento à Mulher da Defensoria Pública do Pará, participou no dia 1º de novembro, na cidade do Rio de Janeiro (RJ), como Membro da Comissão da Mulher vinculada à Associação Nacional das Defensoras e Defensores Públicos (ANADEP).

O encontro aconteceu na sede da Associação dos Defensores Públicos do Rio de Janeiro (ADPERJ) e contou com a presença de representantes de 17 estados. Entraram na pauta a sugestão do tema para a Campanha Nacional da ANADEP no próximo ano, o fortalecimento da Defensoria Pública e o investimento na educação em direitos de gêneros.

Na reunião foram discutidos os projetos de lei em tramitação, que têm o potencial de prejudicar a temática de gênero e os direitos das mulheres, como a criminalização do aborto, e a importância da participação da Defensoria Pública no acompanhamento das lutas de gênero e direitos dos assistidos.

Fábio Rangel, que foi o único homem participante da reunião da Comissão, disse que é importante debater a temática da mulher e a representação da Defensoria Pública. “É fundamental debater e proteger os direitos das mulheres, que foram dificilmente alcançadas durante todos esses anos. Por isso, a necessidade de incluir a Defensoria Pública no debate para atuar inclusive pró-ativamente na defesa desses direitos. É nosso dever levar à instituição o olhar da nossa temática e opinar de como seriam mais bem conduzidas as políticas públicas e nossa atuação finalística diante das necessidades dos nossos assistidos”, destacou.

O Defensor Público destacou ainda: “como ativistas e profissionais atuantes nessa problemática, sabemos que o local de fala mais apropriado é de quem vivencia a dor. Mas é importante que nós, homens, exercitemos a empatia e nos coloquemos a par das inúmeras violações de direitos e dificuldades enfrentadas por elas ostentarem a condição de mulheres. A participação de mais homens, agentes do sistema de justiça, nas discussões de gênero e na atuação profissional, tem esse viés pedagógico para nós enquanto homens e defensores, mas também em relação aos nossos assistidos e assistidas na busca pelo convívio harmônico e respeitoso entre os gêneros e o combate ao machismo”.

Segundo Fábio Rangel, na Defensoria Pública do Pará há Defensoras na defesa e orientação de homens acusados de agressão e, também, Defensor na defesa e orientação jurídica de mulheres vítimas de violência. “Isso vem ao encontro do ideal de igualdade que buscamos”, disse.